Conquistar um ambiente de trabalho em que mulheres tenham as mesmas oportunidades de crescimento profissional que os homens, é uma das questões discutidas quando falamos sobre “empoderamento feminino”.

Quanto mais elevado o nível hierárquico, menor é a participação feminina, muito embora pesquisas recentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), apontem que o nível de escolaridade feminino já ultrapassa o dos homens.

De acordo com Viviane Narducci, diretora da Narducci Consulting, PHD e Mestre em Administração de Empresas pela Escola de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getúlio Vargas (EBAPE –FGV), mais do que buscar espaço no mercado de trabalho, é preciso enxergar com naturalidade as mulheres em posições de lideranças nas grandes organizações do país.

“As posições hierárquicas mais elevadas, como os cargos de gerência e direção, demandam competências que independem de gênero. Assim como a remuneração, também, não deveria depender de gênero, mas de resultados”, diz Viviane Narducci.

Segundo estudo realizado pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), no que diz respeito ao gênero, os homens ocupam 68,7% dos cargos gerenciais, comparados com 31,3% das mulheres. Em outras funções executivas a diferença ainda é maior, os homens estão presentes em 86,4% e as mulheres em 13,6% em posições de direção e presidência.

Já nos conselhos administrativos, a diferença ainda é mais gritante, 89% de participação masculina, em relação aos 11% de participação feminina. Mesmo com algumas empresas apresentando políticas de diversidade, apenas 11% possuem algum tipo de programa de ampliação da participação das mulheres em cargos executivos.

Mulheres Executivas em Ação – MEA

Com o propósito de discutir com o “olhar feminino” os temas relacionados a carreira e a gestão nas organizações, o Blog Mulheres Executivas em Ação, que tem Viviane Narducci como uma das idealizadoras, também questiona os embates das organizações, provocando sempre uma reflexão sobre o tema.

“São vários debates acadêmicos empenhados na classificação das caractarísticas femininas que podem fazer a diferença como, por exemplo, nos trabalhos em equipe, nas tomadas de decisão ou na administração de conflitos”, comenta a especialista.

O discurso das organizações traz a meritocracia como um grande avanço na gestão de pessoas, entretanto, isso ainda não está traduzido nas políticas de promoções. “Estamos na ‘Era da Transparência’, na qual a coerência, entre discursos e práticas, é fundamental para garantir a sustentabilidade das empresas e por isso, vale refletir sobre a realidade que queremos construir para todas nós”, afirma Viviane Narducci.

Sobre a Viviane Narducci

Viviane Narducci é PHD e Mestre em Administração de Empresas pela Escola de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getúlio Vargas (EBAPE –FGV).

É diretora da Narducci Consulting – Consultoria e programas de capacitação em Gestão Estratégica de Pessoas.

Sua experiência acadêmica inclui a docência, nos cursos de MBA  da Escola Superior de Propaganda e Marketing – ESPM/RJ e Fundação Getúlio Vargas – FGV/RJ. É professora do IDE – Management FGV há 15 anos em todo o país.

Você Pode Gostar

Faça um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *